(27) 3244-7443 Segunda – Sexta 8:00 - 17:00 hrs

Você usa bem a água no
seu dia a dia?

Você usa bem a água no seu dia a dia?

Você usa bem a água no seu dia a dia?

Saiba mais sobre: Você usa bem a água no seu dia a dia?

Você usa bem a água no seu dia a dia?

Pare e pense: o que você fez hoje entre o despertar e o desjejum? Tente recordar a seqüência de atos quase mecânicos realizados por você nesse curto intervalo de tempo de seu dia. Provavelmente os detalhes lhe escaparão, mas seguramente você se dará conta de que usou a água de maneiras diferentes e para fins específicos. Como? Pelo menos uma descarga no vaso sanitário (para xixi seguramente, mas talvez para algo mais denso, digamos), e algumas rápidas aberturas e fechamentos da torneira da pia para lavagem do rosto, escovação dos dentes e, se for homem, para barbear-se. Se for como eu, seguramente você buscou o conforto de um banho matinal para acordar os sentidos e revigorar o espírito para a jornada que começa. Luxo maravilhoso acessível à maioria de pessoas em nossa era tecnológica, que, há poucas décadas atrás, não existia.

É importante frisar que, pelos cálculos dos engenheiros que projetam os sistemas de saneamento básico do qual nos servimos, você dispõe de uma quota diária de água de aproximadamente 200 Litros. Agora, tente imaginar fisicamente esse volume, na forma de 100 garrafas grandes de refrigerante (daquelas de 2 Litros, claro), ou dez baldes cheios, ou do volume de água que escoa em uma torneira de tanque aberta durante cerca de 40 minutos ininterruptos. Em seguida, considerando esse seu patrimônio líquido acima descrito, sugiro como exercício que você tente avaliar se suas necessidades de água serão satisfeitas até que encerre sua jornada outra vez no leito de dormir.

Para facilitar, aqui vão algumas dicas. Para suprir a demanda de água de seu corpo, será necessária a ingestão de cerca de 2,0 Litros de água na forma líquida ou na composição dos alimentos. Uma descarga sanitária consome cerca de 7 Litros de água, se sua casa dispuser de bacias sanitárias modernas, com baixo consumo. Se a bacia sanitária for antiga, com descarga prolongada, o consumo de água de uma descarga pode superar 20 Litros! Um banho com duração de 10 minutos consome cerca de 30 Litros, no caso de uso de chuveiros elétricos. Considere ainda o uso diário de cerca de 10 Litros de água para preparo de alimentos e mais 40 Litros na lavagem de 5 kg de roupa suja (semanal?). Dependendo de como você lava seu carro, o consumo pode variar de 20 a 100 Litros por lavagem. Monte sua conta de consumo de acordo com seus hábitos e necessidades (quantos xixis você faz em média por dia?), que seguramente são especiais e diferentes dos das outras pessoas.

Talvez suas contas resultem em volumes de água superiores à quota individual estimada pelos engenheiros sanitaristas: 200 Litros por pessoa por dia. Mas se você excluiu os excessos, e, pelo menos nesse exercício fictício, se ateve às suas reais necessidades básicas, perceberá que seu uso individual se situará em torno de 100 Litros por dia. Tão pouco assim é possível? Bem … um adulto na Alemanha consome em média 120 L/dia e nos países escandinavos menos de 110 L/dia.

Estamos de falando de uma economia de cerca de 50% com relação aos valores de projeto no Brasil que, se de fato fosse praticada por todos, se multiplicaria em benefícios maravilhosos para todos. Descrevo alguns a seguir:

  • Se o consumo de água na cidade for reduzido, menos água será retirada dos rios, lagos e do subsolo, preservando a natureza.
  • A menor demanda de água permite um funcionamento mais folgado das estruturas que compõem o sistema de abastecimento de água, propiciando seu melhor desempenho e aumentando sua vida útil. Mais pessoas poderão usufruir por mais tempo da infra-estrutura instalada convenientemente.
  • A demanda de energia para abastecer a cidade com água será menor, uma vez que as bombas trabalharão menos e com menor esforço.
  • O uso da água nas edificações produz de maneira proporcional esgoto sanitário. Quanto menos água for consumida em uma residência, menor será a produção de esgoto (a tarifa a ser paga será reduzida tanto para a água quanto para o esgoto). Consequentemente, o sistema de esgotamento sanitário poderá ser menor, assim como a poluição dos recursos hídricos.

Para concluir, sugiro uma pequena reflexão sobre o seguinte aspecto: o botão de descarga que você aperta todas as manhãs mecanicamente é um dos seus principais terminais de atuação em um sistema maravilhoso e de grande complexidade (o ciclo da água na natureza), que interfere diretamente na saúde do planeta. Mesmo tendo cumprido um papel inquestionável até aqui na preservação da saúde de inúmeras gerações, a descarga sanitária não é mais unanimidade entre os engenheiros sanitaristas, porque os tempos de águas fartas se foram.

Ricardo Franci Gonçalves, PhD

Solicite um orçamento